Click here!

Se quiseres podes ver as minhas "histórias". Clica em "Minhas Histórias"!

sexta-feira, 25 de março de 2011

As últimas Flores para o Hospital - Cap. XI (Decisões)

Vi-o afastar-se cada vez mais até que a porta se fechou completamente. Fui tomar um banho para tentar esquecer tudo o que se tinha passado mas não resultou. Não conseguia deixar de pensar em cada segundo de felicidade que tinha passado com ele. Não conseguia deixar de pensar no seu corpo, na sua boca tão perfeita, nos seus olhos tão belos e expressivos. Não conseguia, sobretudo, esquecer que ele era meu irmão. Irmão.
Liguei para Erin que atendeu-me com uma voz jovial devido aos preparativos do seu casamento.
- Blair? O que se passa?
Demorei algum tempo a verbalizar o que lhe queria dizer.
- Eu descobri… descobri quem era a minha família. – disse a certa altura.
- Mas não era isso que querias? Por que razão estás assim? Foi o Ian que discutiu contigo? – questionou com um laivo de preocupação.
Ouvir o seu nome era semelhante a cravarem-me milhares de punhais no abdómen.
- Era. Tudo reside aí. – respondi.
- Ora, explica-te. Não estou a perceber nada…
Começei a chorar.
- Ian é meu irmão. Erin, nós namorávamos e… agora estamos irremediavelmente separados.
- Blair… eu não posso acreditar. Como é que isso é possível? Pode ter havido algum engano… essas coisas acontecem.
- Os testes comprovam tudo, Erin! Não há volta a dar! – Limpei as lágrimas e o nariz.
- Tu ama-lo?
- Mais que tudo na minha vida. Mais que eu própria, mais que a minha vida… Faria qualquer coisa por ele. Se ele soubesse o que eu estou a sentir… se ele imaginasse sequer o que sinto por ele! Mas ele só consegue ver um décimo do que nutro por ele. – fiz uma pausa. – Erin… a minha felicidade acabou para sempre.
- Não digas isso. Ela vai voltar só que não vai ser com ele…
- E por que não podemos ficar juntos, Erin? Explica-me! – vociferei.
- Caramba! Vocês são irmãos! Sangue do mesmo sangue! Estás-te a imaginar com um homem que é teu irmão, a construir uma vida com ele, uma família? Blair! Esquece-o! Não há volta a dar. Há mais pessoas que te podem fazer feliz.
- Achas que eu quero saber disso? O amor não deveria superar isso? Erin… abandonarias Eric se soubesses que ele era teu irmão?
- Blair… são casos completamente diferentes.
- Hipoteticamente falando. Responde à minha questão!
- Não, porque o amo em demasia para o fazer. – respondeu a custo.
- Agora percebes-me? Eu amo-o mais que tudo! Nós não fomos criados juntos, não temos nada que nos ligue para além do amor entre um homem e uma mulher. Afinal de contas, por que interessa toda esta treta de ser da família ou não? Se o amor não escolhe idades, também não escolhe graus de parentesco, Erin. Eu estou disposta a reaver todo o amor que ele tem para me dar.
- Estás completamente insana! Irrevogavelmente não estás a pensar com clareza…
- Erin, eu amo-o. Nada mais importa e se eu nunca tive certezas na vida, tenho-as agora. – fiz uma pausa. – Obrigada por me ouvires. Vemo-nos em Maio.
Desliguei a chamada atirando o telemóvel contra a parede, desfazendo-se em mil bocados. Vesti a minha melhor indumentária e cheguei um pouco de creme para disfarçar as malditas olheiras. Abri a porta do quarto e ouvi alguém a discutir. Deduzi que fosse John e Ian. Caminhei lentamente até à porta do seu quarto e encostei o meu ouvido à porta.
“ -Tu mentiste-me, pai! Sempre me disseste que a mãe tinha morrido mas afinal, ela estava viva! Sempre me disseste que éramos só nós os dois e que mais ninguém nos iria ajudar! E agora deparo-me com a minha… minha irmã! Quem és tu, pai? Diz-me! Responde qualquer coisa! Justifica-te! Por quê tanta mentira? Tanta dor que me estás a causar? Blair veio até cá para descobrir a sua família, uma família que a merecesse uma vez que estava sozinha no mundo. E sabes o que ela encontrou? Uma família deplorável na qual o patriarca não passa de um indivíduo que só pensa no seu bem-estar descartando-se para as necessidades dos outros! Isto é o que penso de ti.”
“ – Ian, há coisas que nunca se dizem e….”
Ele não o deixou terminar.
“ – Eu sou maior de idade, tenho o direito de saber a razão pela qual me mentiste e mentiste a Blair quando ela cá chegou negando que a conhecias. Eu exijo saber agora a verdade.”
Com um tom de desespero e de confusão disse-lhe:
“ – Tu exiges saber toda a verdade. Não te condeno, filho. Então vais-me ouvir… - fez uma pausa. – Barbara e eu conhecemo-nos quando tínhamos cerca de quinze anos. Ela foi a um museu ver uma exposição e eu achei-a tão encantadora que a quis conhecer de imediato. Nunca mais nos largámos. Passámos a ser inseparáveis e a nossa felicidade a certa altura chegou a ser tamanha que decidimos dar um passo em frente. Entretanto nasceste e tinhas uma paixão arrebatadora por aviões, avionetas e todas as aeronaves tal como eu tinha e tenho. Contra a vontade da tua mãe, levei-te a rasgar os céus e estavas tão feliz que nada no mundo pagaria o preço de te ver sorrir. – sorriu sarcasticamente. – Porém, tivemos de aterrar para abastecer. Subitamente apareceram uns homens que à socapa te tentaram raptar. – fez uma pausa. – O que achas que eu fiz? Que deixei aqueles delinquentes levarem-te para uma rede de prostituição ou uma rede de pedofilia? Eu arrisquei a minha identidade por ti, Ian. Mudei a minha vida, deixei tudo aquilo que mais amava só para não te causar sofrimento. Eu matei aqueles três delinquentes e quando contei a Barbara ela expulsou-me. A sua maneira de justiça não equivalia à minha. Eu tinha morto três homens e ela teria de participar isso às autoridades a menos que eu deixasse o estado. Na impossibilidade de me ver sozinho, trouxe-te comigo uma vez que ela estava grávida e podia ficar com a criança. Concordámos em nunca mais nos ver nem dar conhecimento aos filhos que eram irmãos. – Fez-se silêncio. – Tu és meu filho, Ian. Ela também mas não a amo tanto quanto a ti. Tens de me perceber… se me denunciares eu posso ser preso.”
Ian soltou um sorriso hipócrita.
“ - Com esta mentira acabaram de destruir o que se passava entre nós. Agora percebo porque não querias que eu namorasse com ela… Deves ser a pessoa que neste momento eu mais odeio à face da terra.”
Sem pensar muito bem no que ia dizer ou fazer, empurrei a porta que estava destrancada e entrei, encarando-os.
- Blair… - murmurou John olhando-me. – Desculpa ter agido assim contigo e nunca querer ter-te conhecido. Dá-me um abraço, filha. – disse ele abrindo os seus braços.
Afastei-me e com raiva disse-lhe:
- Você não é o meu pai. Ian não é meu irmão.
Ele olhou-me com estupefacção.
- Eu vou sair daqui. Acerto contas lá em baixo.
- Blair… - disseram em uníssono.
Saí do quarto de Ian e entrei no meu, guardando todos os meus pertences nas malas e dirigi-me para a recepção onde paguei todas as minhas despesas. Chamei um táxi e resolvi ir ter com Albine. Quando estava prestes a entrar, alguém me puxou.
- Blair… fica, por favor, por mim. Faz isso por mim. – suplicou Ian com os olhos vermelhos.
- Eu não consigo olhar para ti e deixar de pensar na tua boca. Eu tenho de ir embora. – declarei atirando as minhas malas para o banco.
Ele puxou-me novamente, beijando-me demoradamente. Ele colocou as suas mãos na minha cintura com determinação. Senti ressuscitar-me. Era como se subitamente a minha vida estivesse completamente obscura e, depois se sobressaíssem raios de sol que a iluminavam. Repeli-o, lembrando-me que John estava a vislumbrar tudo do seu imponente escritório.
- Ian… eu amo-te mas tenho de partir. Interpreta como se fosse um conselho de uma irmã mais nova: sê feliz com alguém que te mereça. – enfiei-me no táxi, banhada em lágrimas e fechei a porta.
Os dias seguintes foram de tremendo tédio. Albine, apesar de ser uma óptima companhia não se assemelhava a Ian. Eu sentia falta daqueles seus beijos, das suas mãos, do seu hálito, da sua voz… eu sentia falta de cada coisa que ele tinha.
Na faculdade todos comentavam e especulavam acerca do nosso rompimento. Na verdade, algumas alunas já não me olhavam com um olhar fulminante e invejoso. Porém, um dia enquanto passeava pelo exterior da faculdade, ao dobrar uma esquina que dava acesso à entrada de alimentos para a cantina, alguém me puxou violentamente tapando-me a boca com a mão. Temi o desfecho daquele acto mas quando o indivíduo me obrigou a rodar para ficar de frente para ele, vislumbrei Ian com um sorriso deslumbrante.
- Senti a tua falta, Blair. Eu não consigo deixar de pensar em ti. Que se dane o facto de sermos irmãos! Eu amo-te mais que tudo e isso é o que importa. Não quero saber se o meu pai aprova ou não. Não quero saber dele. Quero viajar, conhecer mais para além da Europa. Quero viver num outro país e quero que fiques a meu lado independentemente do nosso grau de parentesco.
Beijou-me como nunca me tinha beijado. Os seus lábios moviam-se rapidamente e as suas mãos puxavam-me contra si.
- Foge comigo, Blair. – disse-me ele enquanto me beijava.
- Tudo o que quiseres.
Combinámos partir secretamente naquela noite. Comprámos os bilhetes e fizemos as malas. Ian não queria que John soubesse em que local se encontrava pelo que saiu pela calada da noite quando todos já estavam a dormir. O ponto de encontro foi no aeroporto.
Mal me viu, correu a abraçar-me enchendo-me de beijos como se já não me visse há anos. Fizemos o check-in e entrámos no avião com um sorriso inexplicável. Afinal, aquilo que eu mais temia, aquilo que me fazia entristecer e derramar lágrimas estava prestes a cessar. Estávamos a um ínfimo passo de sermos felizes, de escondermos quem éramos e de sermos aquilo que queríamos. 

47 comentários:

Catarina disse...

adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii* *--*

Catarina disse...

tassss??? D:
ja a postei :bb nao faz mal

Catarina disse...

ahah gracias ! :b

fátima pereira! disse...

adorooooooooooo.

SARA disse...

Amei a imagem, e o texto ;)

Al* disse...

Woow .. Mesmo sabendo que sao irmãos e arriscam tudo. Gostei imenso *.*

kiss, Al*

fátima pereira! disse...

era parva se não gostasse :).
aposto que todos também pensaram isso, era mesmo esse o objectivo!
muito obrigada mesmo!

fátima pereira! disse...

claro, nem nos devemos opor a isso. cada um têm a sua opinião e a sua liberdade de se expressar à sua maneira, mas nem se coloca em causa!
oh xD. :)

Al* disse...

Obrigado por expressares a tua opinião. Até eu fiquei desgostosa ao dar-lhe este destino.

Al* disse...

Sim, tens toda a razão. Até porque nem na vida real acaba tudo bem .. quer diser, nunca acaba! Há sempre algo mais.

Al* disse...

Nunca li nada dela nem nunca ouvi falar :s

Al* disse...

Por agora não posso meter-me noutro livro se não a professora de portugues mata-me com estilo ao descer-me a nota . Tenho que acabar o Memorial do Convento e está a custar-me imenso! Assim que acabar vou ver se arranjo esse Livro. Sempre podes dar-me uma pequena sinopse.. uma pequena pista para me cativar ;)

Catarina disse...

que querida $: muito obrigada *---*

Al* disse...

Obrigado pela sinopse ;)
Fiquei curiosissima *.*
E o Memorial dá-se no 12ºano.

Catarina disse...

e eu so agradeci,
minha querida nao me faças um concurso de escrita sobre poesia ><

Al* disse...

Estou mais ou menos a meio do livro.
E até agora até estou a gostar. o que é chato é a maneira como ele escreve e tambem as descriçoes chatas de procissoes e afins -.-
mas de resto até gosto do já li até agora ;)

Al* disse...

Ahahah, sim de facto. Ele vai passar o livro todo a fazer criticas. A tudo mesmo. Nada lhe vai escapar.
Desde aos que tem o poder até aos pobres.

Al* disse...

Que tipo de horrores?
E que achaste dos Maias?

Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Al* disse...

O Saramago nao tem nada de erótico ou sensual. Acho até que é bastante frio. Excpto um pouco com a Blimunda e Baltasar.
Vais ver que te corre bem ;)
Le bastantes resumos!

Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cassie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mariana f. disse...

ohh, que bom saber que gostaste (: (do blog)

My dream is a secretgold disse...

Gosto e gosto principalmente da foto, esta mesmo perfeita =)

Cassie disse...

Olá, Oh não faz mal teres saído repentinamente, a mim também me acontece sair sem puder avisar ninguém :')
Por vezes vale arriscar, mesmo que seja só para saber a opinião de profissionais :)
Se dava jeito acertar nos números do euromilhões! Ahaha eu também sou um bocado bruxa nesse sentido, sou orgulhosa e tenho o defeito de eu só ter razão e não deixar que me pisem! Gosto do teu nome, o meu é esquisito -.- Bem os meus pais quando me faziam ouviam Led Zepplin por isso não se esperava outra coisa xP

Cassie disse...

Não cheguei porque a minha familia isto (os meus avós, porque perdi os meus pais) são contra poesia,e se eu lhes dissesse na altura que ia publicar um livro matavam-me, olha até vou publicar aqui no blog xP a primeira parte, é tudo poético, rima que se farta :)

Cassie disse...

Ahahaha A mim aqueles que me conhecem , pior que sarcástica só a Cassie/Nay. Acho que consigo encontrar sempre defeitos nos outros só para gozar e deitar abaixo, principalmente aqueles que têm a mania que são os melhores em tudo.
Oh eu gosto do teu nome é simples, o meu á pessoas que não percebem nem á primeira -.- e depois é mau ser a única na Nazaré a ter o nome de Nadine, isto logo todos me conhecem.
Até logo então :) Beijinho

lara beatriz disse...

adoreiiiiiiii, a sério está mm lindo *-*
beijinhos :)

Cassie disse...

Eu tenho imensos poemas , esse o Sabes é bonito escrevi-o inapouco, o que nao quis editar foi o estás aí, o primeiro capitulo tem umas 30 paginas xP Então estou a por por partes. :O qual é a tua alcunha se não é indiscrição?

Cassie disse...

A mim chamavam-me a Hitler, opá eu venerava e venero a mentalidade do homem, se lerem as citações dele percebem que ele não era assim tão mau, ele era um génio +.+ queria que só houvesse uma raça , os inteligentes, ele deu cabo dos judeus sim, mas ele até era judeu xP
Houve um vez que eu andava no 9º anos ainda me lembro, foi um politico á minha escola, tipo uma palestra, ele não dizia nada com nada, a única que se ponha a falar era eu, e falei-lhe da economia, falei-lhe dos factos reais, inclusive a falta que Salazar faz, ele já não sabia o que havia de dizer, ele fugia á conversa, ele só bebia água e água , sei que agarrou nas coisas dele e foi-se embora, porque tudo o que ele dizia para me "abafar" eu desmentia-lhe com factos verídicos, andei a ouvir sermões dos professores mais de 2 meses xP

Cassie disse...

Oh és o meu ídolo xP, eu no alemão até sei alguma coisinha porque tenho uma tia alemã, mas domino é o italiano e espanhol estive em roma e em sevilha a viver sozinha e tinha de aprender.
Hitler é aquela base, eu uma vez dei um suspiro na aula e disse alto e bom som, "Ai Hitler esse teu bigode excita-me e nem sabes como" foi a partir daí xP
Bem eu quando estou a ver Bones (sou viciada naquilo) começam a dizer eia que nojo tira isso daí, gajos e tudo tapam a cara e a nadine ali na descontar e digo isto é o que te vou fazer.. Enquanto a animais opa adorava abrir as rãs xP
Mas sempre me disseram que eu devia era ir para sexóloga, pois as putas das minhas conversas em aulas de português matemática, psicologia etc davam em sexo, para nao falar que era só sexo , drogas e rock n' roll
Hoje em dia divido casa com dois putas masculinas que fumam erva até dizer chega, trazem uma gaja por semana pra casa, e eu riu-me, são boas pessoas só por serem metalleiros xP andam no 2º ano da universidade e cada um só fez no máximo duas cadeiras

Cassie disse...

Deixa lá que o meu alemão também não é nada de especial xP O inglês sim sei bem, e aliás tudo o que vejo e jogava era em inglês.
A gaja do Bones é super hipócrita, tem uma mente magnifica, dexter é super contorverso, eu identifico-me é com doutor house, até mesmo o facto de já ter estado internada numa clínica psiquiátrica, por ser tão arrogante e sarcástico. A minha inteligência não é nada por aí além, tenho 130 de q.i -.-
Facebook apaguei-o, odeio ler coro nas minhas fotos, por isso apaguei.
O teu mail é aquele que aparece no teu perfil?

Cassie disse...

Eu mentir não consigo, sou demasiado sincera xP
Agora a Bones sim é parecida de certa forma comigo na parte de ser fria. House é um grande senhor xP
Vou adicionar, falamos melhor por msn aqui atrapalha xP

Catarina disse...

eu ate participava... mas nao sei escrever poesia ><

Catarina disse...

entao pergunta apenas na sondagem se preferem de prosa ou poesia ;)

Al* disse...

Pois, aí está. Não se sabe para que lado as pessoas vão pender.
Estou bem. Aliás demasiado até. E quando isso acontece dá-me para isto --'

mas obrigado na mesma pela força *.*

Cassie disse...

Exagerada xP
Eu estou é mortinha para ler o teu próximo capitulo +.+ isso sim

lara beatriz disse...

Oh de nada, acho que este é um dos melhores capítulos desta história, embora estejam todos lindos. (: beijinho

Catarina disse...

sim exacto... obrigadaa

lara beatriz disse...

não tens nada que agradecer querida, apenas disse a vdd (: e obrigada
a cena dos páragrafos também me apanhou desprevenida quando escrevi estava com os parágrafos e quando vi postado estava tudo junto e eu corrigi mas nd /:

disse...

Obrigada :)
Beijinho!

Rita Farinha disse...

Só agora é que vi o que tinhas dito, é que estive a ler esta história toda, adorei mesmo *-* escreves tão bem (:

Joana Patricia Fonseca Silva disse...

Oh adorei querida , que lindo, estou ansiosa pelo proximo :D